EPREBI

QUEM SOMOS?

Somos uma equipe composta por profissionais das áreas de educação física, fonoaudiologia, psicologia,  pedagogia e Serviço Social voltada para efetivar as ações preventivas, previstas no Programa de Prevenção Biopsicossocial para a Qualidade de Vida e de Saúde do Trabalhador em Educação, que possibilita identificar, pesquisar, analisar e minimizar os fatores de riscos ocupacionais sob os quais os profissionais da Seduce se encontram expostos.

 

O QUE FAZEMOS?

A Equipe visa à redução dos índices de restrições funcionais, readaptações, dos afastamentos por licença médica, atestados médicos e dos absenteísmos, assim como, por meio da reabilitação, possibilitar o retorno do trabalhador à sua função de origem em menor espaço de tempo.

Dentro dessa perspectiva temos um objetivo comum, no caso específico, a melhoria da qualidade de vida do trabalhador em educação da rede pública estadual, cada um dentro de sua área, trazendo contribuições para a resolução integrada das necessidades dos mesmos, podendo realizar acompanhamentos biopsicossocial, palestras preventivas e visitas in loco, dentre outras atividades para coleta de dados sobre os servidores da Educação.

 

AÇÕES
As ações propostas pela Eprebi, de forma geral, têm por finalidade contribuir para a melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados à sociedade, por meio da atenção à saúde ocupacional dos trabalhadores em educação e visa identificar, controlar os riscos à saúde e indicar modificações no ambiente de trabalho que favoreçam a minimização desses riscos e contribuam com a prevenção.

 

PÚBLICO ALVO

Servidores da Secretaria de Educação do Estado de Goiás (Seduce) que estão em processo de reabilitação.

 

PRÁTICAS CORPORAIS E INTEGRATIVAS.

A Equipe de Prevenção Biopsicossocial (Eprebi) é uma equipe voltada para efetivar as ações preventivas, previstas no Programa de Prevenção Biopsicossocial para a Qualidade de Vida e de Saúde do Trabalhador em Educação, que possibilita identificar, pesquisar, analisar e minimizar os fatores de riscos ocupacionais sob os quais os profissionais da SEDUCE se encontram expostos.
A Eprebi conta com o Programa de Práticas Corporais e Integrativas, onde busca conscientizar o servidor a adotar um estilo de vida ativo e saudável, para uma melhoria nos aspectos biopsicossociais, já que o sedentarismo é um dos maiores fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis. As práticas vieram para somar nas suas mais diversas formas para o bem-estar do trabalhador da educação.

 

PRÁTICAS OFERECIDAS

Ginástica Funcional
  • Ginástica Funcional: É um método de atividade física realizada sem aparelhos da academia, que tem como objetivo melhorar a condição física imitando movimentos normais do dia a dia. Realizada todas as 2ª, 4ª e 6ª-feiras (das 17h 15min às 17h45min) na tenda do transporte na Seduce.

Caminhada Orientada

Caminhada Orientada: É um projeto que visa à interação social, o fortalecimento da corporeidade e o combate ao sedentarismo por meio de exercícios físicos com intervenção em um grupo específico: servidores da Secretaria da Educação de Goiás. Realizada todas às 3ª e 5ª (das 

18h às 19h) no Lago das Rosas.

Ginástica Laboral

Ginástica Laboral: A ginástica laboral pode ser entendida como uma pausa ativa realizada no ambiente de trabalho, composta por atividades específicas como alongamentos, massagens, atividades lúdicas e exercícios respiratórios, primariamente direcionados às exigências psicofisiológicas do trabalhador e passível de implantação em qualquer local de trabalho.

Voleibol

Voleibol: realizado as 3ª e 5ª-feiras (das 17h 15min às 18h)

Coral

Coral: às 4ª-feiras (das 8h às 10h)

Geloteca

  Geloteca: Localizada na recepção da Seduce, o intuito é incentivar a leitura de forma interativa entre os servidores. Participe e colabore alimentando este projeto, doe livros.

Conversation Club

Conversation Club: Realizado todas ás 2ª e 5ª (das 12h às 13h) no auditório Lydia Poleck, na Seduce Centralizada.

 

PERGUNTAS SOBRE READAPTAÇÃO

Quais os prejuízos, financeiros e de tempo de trabalho, que posso ter com o processo de readaptação?

O único prejuízo que o profissional pode ter é quanto ao tempo de trabalho, a partir de 6 meses ele irá aumentar 5 anos para aposentar. De acordo com a lei o profissional não pode ter prejuízos financeiros com a readaptação. Para diminuir a carga horária é preciso que o profissional elabore um relatório solicitando.

Posso dar entrada em processo de readaptação, existindo um processo de aposentadoria em andamento?

Não!

Na readaptação/readequação posso ser prejudicado, assim tendo que mudar de cargo ou função?

A mudança quando é concedida a readaptação é que o profissional passa a cumprir hora relógio.

Em caso de estar readaptado ou em readequação, poderei ser removida da unidade Escolar?

Para que aconteça a remoção é preciso que na unidade escolar exista vaga disponível, é preciso haver um dialogo com o gestor, informar que o profissional está readaptado, sendo temporário ou definitivo.

OBS: Para remoção de Subsecretaria para outro é preciso abrir um processo na Centralizada e para remoção em unidade escolar da mesma subsecretaria o processo pode acontecer interno, com orientação e tramitação da SUME.

O número de licença influência no processo de restrição/readaptação?

Não, só influencia no processo de aposentadoria.

Posso fazer 60 horas sendo readaptado? Se não, quantas horas posso fazer?

O profissional readaptado não pode trabalhar por 60 horas, uma vez que ele trabalha contando hora relógio. Ele poderá realizar 30/40 horas conforme sua necessidade.

Quando termina o prazo de licença concedida no processo de readaptação o que devo fazer?

É preciso agendar nova pericia, de acordo com a sua necessidade, caso seja readaptação atualização dos formulários.

 

* Para mais informações entrar em contato com a equipe. Telefone: (62) 3201-4155.

Profissionais da Equipe

Coordenador:
Ms. Rafael Vieira de Araújo – Professor de Educação Física

 

Equipe:

Bárbara de Paula Almeida – Psicóloga
Cristina Ramos Silva – Psicóloga
Ms. Eliana Souza da Costa Marques – Fonoaudióloga
Janaina Affonso Alves – Assist. Social
Jaqueline Rocha Cornetti do Vale – Pedagoga
Jordana Silva Martins – Psicóloga
Patrícia Almeida Costa – Profª Ed.Física.
Roberta Rodrigues Batista da Costa – Assist. Social
Sônia Facure Ferreira – Psicóloga
Vanuza Ferreira França – Psicóloga

Estagiários:

Alessa Barbara Frota Venturini – Psicologia
Geovana Bueno Silva – Educação Física
Ingrid Martins Corrêa – Psicologia
Max Santana Cananéia – Educação Física
Natália de Paula Siqueira Costa – Psicologia
Ademyr Breno Nunes Vieira –ducaçãoFísica
Eliene Soares Ferreira Coutinho – Serviço Social

 

Administrativo:
Ana Paula Bueno Marques
Bianca Regina Massone Auad – Bióloga
Dr. Ivan Silveira de Avelar – Educação Física; Ciências da Sáude
Ms. Manoel Eloy de Melo – Biólogo
Marcos Vinícius Tondato – Educação Física

Equipe de Prevenção Biopsicossocial
Prédio da Superintendência de Programas Educacionais Especiais, Sala 53.
Avenida Anhanguera, nº 7.171, Setor Oeste. Goiânia, Goiás.
Fone: (62) 3201 4155,
E-mail: eprebi@seduc.go.gov.br
 Superintendente
Solange Andrade de Oliveira
Contatos: (62) 3201-3077 / 3201-3007
E-mail: solange.oliveira@seduc.go.gov.br
Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte de Goiás.
Avenida Anhanguera, nº 7.171, Setor Oeste. Goiânia, Goiás