Cultura: Grandes eventos e fomento transformam cenário cultural goiano

cultura
20 de dezembro de 2018

– De 2011 a 2018, calendário cultural foi marcado por grandes eventos do cinema, música e teatro;

– Fomento cultural já investiu mais de R$ 150 milhões em projetos da sociedade;

– Agenda cultural é constantemente movimentada com as portas abertas do Teatro Goiânia, Vila Cultural, Martim Cererê, Cineteatro São Joaquim e outros espaços;

Goiás está entre os cinco Estados brasileiros que mais investem em cultura. O Governo de Goiás vem desenvolvendo ações contínuas que reverberam profundamente na sociedade goiana e ecoam no Brasil, América Latina e repercutem em diversos outros países. Desde 2011, a política cultural do Estado passou por mudanças na estrutura administrativa e contribuiu significativamente para a área de eventos, fomento cultural, patrimônio e outras.

Na estrutura do Governo, a antiga Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira (Agepel) foi promovida à Secretaria de Cultura (Secult Goiás) em 2012. Posteriormente, em 2015, a pasta manteve seu status de secretaria na reforma administrativa ao integrar a Seduce – Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, estrutura em funcionamento atualmente.

Nas ações contínuas da área, destacam-se os grandes eventos culturais como o Fica (Festival Internacional de Cinema Ambiental), Canto da Primavera, em Pirenópolis, e Mostra Nacional de Teatro de Porangatu. Os três eventos marcaram o calendário cultural goiano e foram responsáveis pela divulgação do nome de Goiás pelo Brasil e pelo mundo. Além disso, trouxeram ao público goiano as mais importantes produções do cinema ambiental mundial, grandes músicos em shows memoráveis e as melhores produções cênicas regionais e nacionais. Os eventos tornaram-se cativos do público goiano, além de fomentarem o turismo nas cidades.

Comemorando 20 edições bem sucedidas, o Fica foi criado em 1999, na cidade de Goiás. O evento contribuiu para a manutenção do título de Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco tornou-se o maior festival de cinema ambiental da América Latina. Também, o festival incentivou a criação de cursos superiores da área de cinema nas principais universidades do Estado e fomentou a indústria cinematográfica goiana no geral.

Entre as ações governamentais no período 2011 – 2018, o fomento cultural destaca-se por incentivar o protagonismo da sociedade. O Programa Estadual de Incentivo à Cultura – Lei Goyazes vem contribuindo enormemente com a área ao financiar projetos por meio de renúncia fiscal. Regulamentada em 2001, já investiu cerca de R$ 50 milhões em projetos culturais nas modalidades de audiovisual, teatro, dança, circo, artes integradas, artes visuais, letras, memória, artesanato, patrimônio e música.

Somando-se aos incentivos culturais, o Fundo de Arte e Cultura veio como o mais importante instrumento de fomento aos projetos da sociedade, com verbas garantidas por lei. Desde 2006, já foram investidos mais de R$ 100 milhões em fomento direto a ações culturais das mais variadas expressões, como música, cinema, teatro, literatura, circulação cultural, patrimônio, danças tradicionais e urbanas e muito mais.

A cultura goiana também tem seu patrimônio preservado nos museus do Estado, como o Museu Goiano Zoroastro Artiaga, Museu da Imagem e do Som (MIS), Museu Pedro Ludovico Teixeira, Museu de Arte Contemporânea (MAC Goiás), Palácio Conde dos Arcos e Museu Ferroviário de Pires do Rio.

 

A agenda cultural de Goiás é movimentada pelos diversos espaços que a população pode usufruir, como Instituto Gustav Ritter, Cine Cultura, Teatro Goiânia, Vila Cultural Cora Coralina, Centro Cultural Martim Cererê, Museu Zoroastro Artiaga, Museu da Imagem e do Som, Museu de Arte Contemporânea (MAC), Biblioteca Braille José Álvares de Azevedo e Centro Cultural Oscar Niemeyer, que atualmente passa por uma grande reforma.

Outro destaque nas ações culturais do Estado é a Orquestra Filarmônica de Goiás, considerada uma das melhores do Brasil e recebe por ano R$ 6 milhões em investimentos. A OFG vem cumprindo com louvor a meta de oferecer uma programação de qualidade à população.

Com grandes eventos, fomento cultural, patrimônio e uma gestão cultural eficiente e coesa, o Estado de Goiás proporciona uma vivência ímpar e grandes possibilidades de desenvolvimento e fortalecimento de toda a sociedade.

 

Confira destaques dos investimentos e ações do Governo de Goiás na área da cultura:

 

FOMENTO CULTURAL:

Fundo de Arte e Cultura (FAC)

2018: verba de R$ 25.500.000 (vinte e cinco milhões e 500 mil reais) para fomento cultural. O lançamento dos 22 editais, com previsão de aprovação de 395 projetos, está previsto para os próximos dias.

Investimento total até 2017: RS 108.890.000,00

Número de inscritos até 2017: 4980 projetos

Número de aprovados até 2017: 1310 projetos

Número de Municípios com projetos aprovados: 108 cidades

Empregos diretos (dados de 2016)      Mais de 3500

Empregos indiretos (dados de 2016)  Mais de 8300

 

O Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás – Fundo Cultural é o principal mecanismo de fomento e difusão da produção cultural do Estado, o que  permitiu um grande avanço na política cultural goiana, tornando-a mais democrática e plural. Por meio de editais de seleção pública, lançados anualmente, o Fundo Cultural possibilita que artistas, grupos e coletivos, produtores culturais e prefeituras recebam recursos diretamente do Governo do Estado, para realizarem projetos, nas mais diversas linguagens artísticas e áreas culturais, levando o nome do Estado, a diversos países, estados e cidades do Brasil.

Foi instituído pela Lei 15.633 de 30 de março de 2006 e regulamentado pelo Decreto n. 7.610 em 07 de maio de 2012. Tem orçamento próprio, vinculado e estipulado em lei que é de 0,5% da arrecadação líquida do Estado.

Desde então, o Fundo Cultural já lançou 64 Editais (sem contar os que estão previstos para 2018), com 4.986 projetos inscritos e 1.254 projetos aprovados, em um investimento total de RS 108.890.000,00 (cento e oito milhões e oitocentos e noventa mil reis) e atingindo mais de 100 municípios proponentes.

 

Lei Goyazes – Programa Estadual de Incentivo à Cultura

Investimentos:

– De 2007 a 2011, foram investidos uma média de mais de R$ 16 milhões;

– De 2015 a 2018, os valores disponibilizados pela Lei somam 34 milhões;

Regulamentada em 2001

Já investiu cerca de R$ 50 milhões em projetos culturais

É um dos principais mecanismos de fomento do Governo de Goiás, que financia projetos culturais por meio de renúncia fiscal do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Podem concorrer ao benefício projetos de todos os municípios goianos.

A Lei Goyazes foi publicada no ano de 2000 e regulamentada em 2001, com o objetivo de preservar e divulgar o patrimônio cultural, histórico e artístico do Estado, bem como incentivar e apoiar a produção cultural e artística.

– Modalidades atendidas: áudio visual, teatro, dança, circo, artes integradas, artes visuais, letras, memória, artesanato, patrimônio e música;

– Número de proponentes atendidos na gestão: aproximadamente 600;

– Número de cidades contempladas: Goiânia, Itumbiara, Catalão, Aparecida de Goiânia, Goiás, Pirenópolis, Alto Paraíso, Inhumas, Trindade, Caldas Novas, Rio Quente, Quirinópolis;

– Circulação: Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e o Distrito Federal. Os projetos também circulam por países como Portugal, Espanha, França e Itália;

 

EVENTOS CULTURAIS

Fica 2018 Marcelo Solá

Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica)

Criado em 1999

20 edições

Realizado na Cidade de Goiás, foi criado em 1999 na gestão do governador Marconi Perillo. Em 2018, o Fica chegou à sua 20ª edição, recebendo um público de 40 mil pessoas em seis dias de evento. O festival distribui R$ 280 mil em prêmios para as melhores produções do mundo, uma das maiores da América Latina.

Ao longo de sua história, o Fica firmou-se no calendário cultural de Goiás, do Brasil e do mundo, premiando grandes produções do cinema ambiental como Construindo Pontes, Lixo Extraordinário, O Menino e o Mundo, Corumbiara e Recife Frio. Na programação musical, o festival já trouxe a Goiás grandes nomes como Caetano Veloso, Gal Costa, Elba Ramalho, Vanessa da Mata e até mesmo a atração internacional Mano Chao.

 

Mostra de Música de Pirenópolis – Canto da Primavera

Criado no ano 2000

19 edições

A Mostra de Música de Pirenópolis – Canto da Primavera 2018 levou 19 atrações musicais à cidade, entre regionais, locais e nacionais, todas gratuitas e abertas ao público. Esse ano, reuniu cerca de 9 mil pessoas em 5 dias de shows.

Nas suas 19 edições, o Canto da Primavera promoveu intensa formação musical, com oficinas diversas, palestras, debates e marcou a cidade com grandes shows de artistas como Milton Nascimento, Criolo, Gilberto Gil, Fernanda Abreu e Zélia Duncan. A Mostra também é um grande palco da diversidade artística goiana, com apresentações marcantes de artistas como Maria Eugênia, Pádua, Fernando Perillo, Chá de Gim, Carne Doce, Débora di Sá, Sabah Moraes, Marcus Biancardini e muitos outros.

 

Mostra Nacional de Teatro de Porangatu – TeNpo

Criado em 2001

16 edições

Por questões de ajude fiscal, a edição 2018 do TeNpo não foi realizada.

O TeNpo é um grande palco para artistas nacionais e regionais, e já marcou a história de Porangatu com apresentações de grandes nomes como o humorista Gustavo Mendes, Fafy Siqueira, Adriana Birolli, e destaques regionais como o Grupo Teatral Limpando o Olho, Giro 8 Cia de Dança, Cia Teatral Oops!, Nu Escuro e muito mais.

A Mostra também investe em oficinas de formação na área das artes cênicas, dança, produção cultural, sempre gratuitas e abertas ao público.

 

ESPAÇOS CULTURAIS DE DESTAQUE

Instituto de Educação em Artes Gustav Ritter

Arte Viva no Gustav Ritter

Inaugurado em 16 de novembro de 1988

Atende 1.500 alunos por ano

Oferece aulas de música, dança e teatro

Em sua estrutura física, o Instituto possui 28 salas de aula de música, dança e teatro, além de Biblioteca, Instrumentoteca, e salas administrativas como: Diretoria, Secretaria e Coordenações Acadêmicas. A abrangência do Instituto se expande para diversos bairros da capital, Goiânia, e cidades que compõe a Região Metropolitana: Trindade, Inhumas, Senador Canedo, Bela Vista, Aparecida de Goiânia, Anicuns, Santo Antônio de Goiás, Nova Veneza, dentre outras.

Contribuindo para a democratização da cultura, o Instituto Gustav Ritter oferece oportunidades para os alunos, de 5 a 80 anos,  desenvolverem habilidades artísticas, envolvendo a comunidade. Tradicionalmente, o Instituto exporta talentos na área de Dança, com ex-alunos que hoje atuam no cenário cultural nacional e internacional, em países como: Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Suíça, França e Mônaco.

Foi criado por iniciativa do Secretário de Estado da Cultura, escritor Kleber Adorno, no Governo Henrique Santillo para ser um órgão difusor da cultura, o Centro Cultural Gustav Ritter foi instalado na antiga Casa dos Padres Redentoristas, adquirida em 1986, pelo governo do Estado de Goiás e inaugurado em 16 de novembro de 1988.

Por meio da Lei n. 19.372 de 30 de junho de 2016 o Centro Cultural passou a ser Instituto de Educação em Artes Gustav Ritter, unidade de ensino e formação artística da Seduce.

 

Vila Cultural Cora Coralina

Feira Go Vegan na Vila Cultural Cora Coralina

Inaugurada em 2013

2 mil visitantes por mês

O investimento no espaço foi de R$ 12 milhões, sendo 90% provenientes do Ministério do Turismo e 10% de contrapartida do Governo Estadual. A liberação dos recursos e a fiscalização das obras foram realizadas pela Caixa Econômica Federal (CEF).

A Vila Cultural Cora Coralina também se denomina como uma área de convivência e funciona ao lado do Teatro Goiânia. A unidade foi projetada para ressaltar a imponência da arquitetura do tradicional teatro, e se insere na ação do governo estadual para revitalizar o Centro de Goiânia e resgatar a memória da capital.

Desde sua inauguração, recebe eventos como exposições de arte e fotografias, workshop, exibição de vídeo, oficinas, mostras de filmes promovidas por cineclubes, lançamentos de livros, palestras, feiras de artesanato e economia criativa, fórum e festivais.

Desde 2014, a administração do complexo está a cargo da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce). A Vila Cultural abriga os seguintes espaços: Sala de Exposições Principal, Sala Multimídia João Bênnio (com capacidade para 50 pessoas), Sala Antônio Poteiro, Sala Sebastião Barbosa, Sala do CAT, Hall, Varanda e a Praça Belkiss Spenziere.

Atualmente, a unidade recebe uma média de dois mil visitantes ao mês. Seu funcionamento é de segunda a domingo, incluindo feriados, com horário das 9 às 17 horas, e a entrada é gratuita.

 

Museu Pedro Ludovico

Museu Pedro Ludovico Teixeira

Investimento: R$ 130 mil para reforma

Reaberto dia 5 de julho de 2018

A reforma durou cerca de um ano. O prédio passou por obras na casa principal e anexos, reforma do telhado, com aplicação de subcobertura, e pintura interna e externa resgatando as cores originais do edifício.

Atualmente, o Museu está aberto a visitas gratuitas de terça a domingo, de 9h às 17h, e também recebe o projeto Café com Pedro, ação educativa com a proposta fazer com que a história da capital e de seu fundador sejam preservadas, conhecidas e difundidas para a população goianiense.

 

Cineteatro São Joaquim – Cidade de Goiás

Reaberto: 02/06/2017

Goiás recebe o novo Cine Teatro São Joaquim, com recursos federais do PAC Cidades Históricas

Casa e berço de inúmeras manifestações artísticas na cidade de Goiás (GO), passando do teatro à dança, da música ao cinema, o Cine Teatro São Joaquim reabre suas portas para voltar a receber a maior riqueza de seus moradores: a cultura.

Depois de passar por uma grande obra de requalificação, realizada com investimentos de R$10,09 milhões do PAC Cidades Históricas, o principal equipamento cultural da antiga capital de Goiás será reaberto no próximo dia 02 de junho.

Teatro Goiânia

Reforma em 2010: Investimento: R$ 2 milhões

Reabertura: Dezembro de 2010

Por meio da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira, o Teatro Goiânia passou por uma ampla reforma e restauração de suas dependências. A restauração e reforma do Teatro consumiu um ano de trabalho ininterrupto contemplando todo o prédio, construído nos anos 1940. Do telhado, parte elétrica e camarins à pintura externa, tudo foi reformado no teatro, que ganhou saídas de emergência e acesso para portadores de necessidades especiais, novos sistemas de iluminação e sonorização cênica, ar condicionado, e uma série de outros reparos importantes para o seu funcionamento.

 

Recitais Vilaboenses

2015 a 2017, na cidade de Goiás

A série de Recitais Vilaboenses começou em 2015, no histórico Teatro São Joaquim, na cidade de Goiás. Com o início da reforma do local, o piano de cauda do local foi levado para o Palácio Conde dos Arcos, que passou a sediar as apresentações de música clássica na antiga capital do estado.

 

Comunicação Setorial da Seduce

Goiânia, 20 de dezembro de 2018