Escola de Tempo Integral

A educação integral pressupõe um conjunto de estratégias para o desenvolvimento pleno do ser humano, a partir da ampliação de tempo, espaço e conteúdo de aprendizagem.

Em Goiás, esse modelo tem mostrado que é possível melhorar a qualidade da educação brasileira, uma vez que as escolas de Tempo Integral realizam trabalhos que vão além da aprendizagem, transformando a realidade social dos estudantes.

A Educação em Tempo Integral começou a ser implementada na Rede Estadual de Goiás em 2006, inicialmente nas escolas de Ensino Fundamental. Naquele ano, 31 unidades tiveram expansão de carga horária, totalizando 144 unidades escolares em 2017. Este ano, 10 novas escolas de Ensino Fundamental passaram a oferecer a Educação em Tempo Integral, e mais cinco de Ensino Médio inseriram turmas de Ensino Fundamental no seu quadro, ampliando o número total para 155 já que outras quatro unidades escolares foram municipalizadas ou militarizadas.

No Ensino Médio a ampliação do tempo de permanência dos estudantes na escola teve início em 2013, quando 15 unidades se adequaram ao Programa Novo Futuro, uma proposta pedagógica de educação integral, que visa uma formação multidimensional, na qual o desenvolvimento de competências socioemocinais torna-se tão relevante quanto à dimensão cognitiva.

No ano seguinte, sete unidades escolares também ampliaram as horas dentro dos muros escolares. Entre 2017 e 2018, o número de escolas em período integral foi mais uma vez ampliado, conforme a Política de Fomento à Escola em Tempo Integral do Ministério da Educação, que visa injetar até 2020, R$ 1,5 bilhão na implementação do modelo de escola em tempo integral.

O programa atendeu 46 unidades escolares. Destas, sete já eram do Programa Novo Futuro; três são unidades novas construídas recentemente e que estão em fase de formação de professores e organização de matrículas; e uma se encontra em fase final de construção em Planaltina. No total, Goiás oferta o Tempo Integral no Ensino Médio em 61 unidades escolares.

  

A abertura das novas escolas ligadas à Seduce Goiás integra um programa de fomento na modalidade em tempo integral, anunciado no segundo semestre do ano passado pelo governo federal. O projeto de alterar a carga horária mínima anual de 800 para 1.400 horas, como é proposto, está na Medida Provisória de Reforma do Ensino Médio.

Em resumo, atualmente, Goiás tem 203 Centros de Ensino em Período Integral (CEPIs), sendo que 142 ofertam o Ensino Fundamental, 48 ofertam o Ensino Médio e 13 ofertam Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Confira a lista de Cepis de Ensino Fundamental e de Ensino Médio abaixo:

Lista Cepis

Veja na prática:

Alunos do Centro de Educação em Período Integral (Cepi) Cecília Meirelles contam em vídeo a experiência no novo modelo de Educação Integral em Tempo Integral que está sendo expandido na rede goiana pela Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce). Os estudantes destacam que o envolvimento em projetos da escola e a possibilidade de participar da gestão da unidade de ensino são pontos fortes da Educação em período Integral, cujo foco é o aluno. Eles narram suas percepções positivas sobre o estudo orientado, protagonismo juvenil, pós-médio, disciplinas eletivas, culminâncias e projeto de vida.

 

 

Saiba mais sobre os Cepis com as perguntas e respostas abaixo:

 

1 – O que é uma Escola de Tempo Integral?

As escolas de Tempo Integral são chamadas de Centros de Ensino em Período Integral do Estado de Goiás (CEPIs). Elas visam a formação plena dos estudantes, a qual transcende os conhecimentos sistêmicos e considera os estudantes como sujeitos não somente na sua dimensão cognitiva, mas também em sua dimensão biopsicossocial e em sua condição multidimensional. Nessa perspectiva, o processo educativo é compreendido como condição fundamental para ampliar as possibilidades de desenvolvimento humano.

 

2 – Como funciona um Centro de Ensino em Período Integral?

As unidades escolares trabalham com carga horária de 10h diárias para o Ensino Fundamental e 9h30 para o Ensino Médio, com uma Matriz Curricular que contempla componentes curriculares do Núcleo Comum e do Núcleo Diversificado que são desenvolvidos ao longo das 45h/a semanais.

 

3 – O que é lecionado em um CEPI’s?

A Matriz Curricular de um CEPI é composta por componentes do Núcleo Comum (Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, Inglês, Matemática, Física, Química, Biologia, História, Geografia, Filosofia e Sociologia) e do Núcleo Diversificado (Prática de Laboratório, Avaliação Semanal, Preparação Pós-Médio, Estudo Orientado, Projeto de Vida, Protagonismo Juvenil, Espanhol, Eletivas e Prática de Laboratório).

 

4 – Quantas refeições os estudantes destas unidades fazem por dia?

Os estudantes recebem três refeições durante o período em que estão na unidade. O lanche da manhã, às 9h30, o almoço, às 12h15 e o lanche da tarde, às 15h.

 

5 – Há diferença entre calendários da escola integral e a de período padrão?

Não. O calendário do ano letivo segue o mesmo das escolas com turmas padrão. As 25 escolas de Ensino Médio em tempo integral implantadas em 2017 iniciaram o ano letivo após as demais escolas da rede pelo fato de toda equipe escolar passar por um processo de formação antes do início das aulas, portanto, constam algumas alterações em seu calendário a fim de concluírem o ano letivo.

 

6 – O ingresso de alunos em um CEPI é feito de que forma?

O ingresso é feito conforme as diretrizes gerais da Secretaria de Educação, Cultura a Esporte de goiás (Seduce), ou seja, via 0800, assim como para qualquer outra escola de tempo padrão.

 

7 – Os CEPI’s atendem mais alunos?

Os CEPIs atendem em tempo integral todos os estudantes matriculados na escola.

 

8 – Quantas unidades nesse molde existem em Goiás?

Goiás tem 203 Centros de Ensino em Período Integral (CEPIs), sendo que 142 ofertam o Ensino Fundamental, 48 ofertam o Ensino Médio e 13 ofertam Ensino Fundamental e Ensino Médio.

 

9 – Quais os resultados identificados nessas unidades?

Em geral essas unidades escolares tiveram crescimento nos resultados do IDEB, IDEGO e ENEM. Um exemplo é o Colégio Estadual de Tempo Integral Professor Sérgio Fayad Generoso, no município de Formosa, que carrega um dos melhores Idebs do Brasil com a nota 6,5 ultrapassando em quase o dobro da média nacional (3,7).

 

10 – Quem financia essas escolas?

Os Centros de Ensino em Período Integral de Ensino Fundamental são financiados por recursos federais e estaduais que são repassados às unidades escolares de forma descentralizada por meio do PDDE e do Pró Escola. Entre os 41 CEPIs de Ensino Médio financiados pelos recursos supracitados, 25 unidades escolares contam também com Fomento do Ministério da Educação (MEC) para implantação de Escolas de Ensino Médio em tempo Integral, o qual foi instituído pela Portaria nº1.145, de 13 de junho de 2017.

 

11 – Há alguma legislação que regulamenta o Tempo Integral?

Sim. A Lei Nº 19.687, de 22 de Junho de 2017, que substitui as leis anteriores que regulamentavam as escolas implantadas em 2013 e 2014.

 

12 – Quem decide qual escola ampliará o período de estudo?

A implantação de Centros de Ensino em Período Integral se dá por meio de uma pré-seleção feita pelo próprio MEC. A partir dessa indicação são realizadas algumas etapas por parte da Seduce com o objetivo de verificar e comprovar se as escolas indicadas atendem os critérios de elegibilidade apontados pelo MEC.

 

13 – Quais os critérios para transformar uma escola de tempo padrão em CEPI?

No caso da implantação de tempo integral no Ensino Médio para o ano de 2018, a Portaria 727 do MEC em seu artigo 6º, são estabelecidos os seguintes critérios de elegibilidade:

I – Mínimo de 120 matrículas no primeiro ano do ensino médio, de acordo com o Censo Escolar mais recente;

II – Alta vulnerabilidade socioeconômica em relação à respectiva rede de ensino, considerando indicador socioeconômico desagregado por escola;

III – Existência de pelo menos 4 dos 6 itens de infraestrutura exigidos no Anexo III a esta Portaria, necessariamente registrados no Censo Escolar mais recente ou comprovados pelas Secretarias Estaduais de Educação no ato da adesão;

IV – Escolas de ensino médio em que mais de 50% dos alunos tenham menos de 2.100 minutos de carga horária semanal, de acordo com o último Censo Escolar; e

V – Não ser participante do Programa

 

14 – A implantação desse modelo contribui para a diminuição da evasão escolar?

Sim. A maioria dos CEPIs já implantados tem taxa 0 de evasão escolar.

 

15 – Qual a diferença dentro dos muros escolares entre um CEPI e uma unidade padrão?

Além da carga horária estendida, a diferença está no Núcleo Diversificado, inserido na Matriz Curricular de um CEPI. As disciplinas deste núcleo oferecem aos estudantes a exploração de capacidades cognitivas e sócio emocionais, uma vez que trabalha com os sonhos e habilidades do estudante. No protagonismo juvenil, por exemplo, existem diversos clubes, como de xadrez, futebol, música, entre outros. São os próprios alunos que montam os clubes e que coordenam as atividades. Dessa forma, o estudante se sente parte da escola e protagonista de sua própria vida.

 

Conheça os critérios para criação de escolas de educação em período integral

 

Leia mais em:

Escola de Tempo Integral Carlos Alberto de Deus realiza corujão de estudos

Escola de Tempo Integral de Formosa é exemplo de alto desempenho

Aluno de escola estadual de tempo integral apresenta projeto científico em Fórum internacional de Londres

Seduce capacita gestores em educação integral